90% dos casos de mau hálito tem origem na má higienização e aqueles 10%?

Publicado por em 10 de julho de 2016

Mau hálitoA primeira reação de alguém ao ser informado que tem mau hálito é questionar se tem alguma doença estomacal. Porém, os especialistas afirmam que cerca de 90% dos casos a origem da halitose está na má higienização da boca, ou seja, não dá pra não escovar os dentes ao acordar e após as principais refeições. E usar o fio ou fita dental, ao menos na escovação depois do jantar. Agora, aqueles 10% podem ter causas variadas, além de doenças gastrointestinais – confira abaixo.

Diabetes: “Quando a pessoa apresenta alteração da glicemia ela registra uma halitose mais forte, com um odor parecido ao da acetona. Isso acontece quando o índice da glicemia está muito acima do ideal. Essa característica permite prever quando o diabético está saindo dos níveis normais por meio da halitose”, explica o dentista Alexandre Bussab (CRO-SP: 44 969).

Amigdalite: A inflamação das amígdalas produz muito pus e ele provoca mau hálito no paciente.

Fariginte: Atinge a faringe e o esôfago e pode ocasionar a halitose, segundo Alexandre.

Problemas respiratórios: pessoas com doenças respiratórias, como pneumonia, desvio de septo ou que façam com que elas respirem pela boca, provocam o ressecamento da língua e de toda a mucosa e, consequentemente, esse quadro altera causa a halitose.

Doenças sistêmicas: são aquelas que causam um descompensação do organismo e podem atingir pâncreas, rins, coração, o sistema gastrointestinais (gastrite e úlcera gástrica, por exemplo) e alterações intestinais – a existência delas pode causar o mau hálito. “Até se a pessoa estressada sofre alterações que mudam o organismo todo, inclusive muda a salivação, a respiração. Isso atinge a halitose também”, observa Alexandre.

Medicamentos de uso controlado: Em algumas pessoas podem provocar o mau hálito.

Vale observar se, além do mau hálito, há sangramento da gengiva constante, que pode indicar a gengivite, doença causada pela inflamação da gengiva devido ao acúmulo de restos de alimentos. Mudanças da coloração da língua também são um sinal de alerta: “Escovar a língua é importantíssimo. Ela é formada por papilas, se ela estiver esbranquiçada indica que há alimentos e bactérias fermentando [no local]. Pode usar o enxaguante bucal sem moderação porque ela mata as bactérias causadoras do mau hálito”, orienta Celso Minomi (CRO-SP:37401).

O diagnóstico das causas do mau hálito é feito por um dentista. A primeira providência do especialista será checar a saúde bucal para identificar possíveis focos de cáries, gengivite (inflamação da gengiva) ou periodontite (quadro que ocorre quando a gengivite avança para os tecidos que dão suporte aos dentes) e após eliminar esses pontos, ele irá pedirá exames para identificar as causas do problema e encaminhar o paciente ao médico especialista.

Fonte: IG por Aline Viana



Deixe seu comentário


Publicidade