Justiça determina nomeação de candidata aprovada em concurso

O candidato aprovado em concurso público para formação de cadastro de reserva tem mera expectativa de direito à nomeação. Entretanto, essa mera expectativa de direito poderá ser alterada quando restar demonstrado que, no prazo de validade do concurso, surgiu cargo vago e ficou provado que a empresa desvirtuou a existência das vagas, atendendo sua demanda por meio de contratações irregulares de terceirizados. Foi o que ficou comprovado no processo em face da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU).

Trata-se de um Recurso Ordinário, proveniente do Juízo da 9ª Vara do Trabalho de João Pessoa que julgou procedente ação determinando a imediata contratação da autora no cargo de Assistente Operacional, conforme procedimentos estabelecidos no edital 01/2014, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil, a ser revertida em favor da autora. A decisão foi mantida pela 1ª Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região), no processo nº 0001717-25.2016.5.13.0026, onde foi negado provimento ao recurso da reclamada, que recorreu ordinariamente pela reforma da sentença, para que a ação fosse julgada totalmente improcedente.

Para tanto, alegou que, nos concursos que possuem cadastro de reserva, não há obrigatoriedade de nomeação de todos os candidatos aprovados para a “lista de cadastro de reserva”, visto que o ato da nomeação está condicionado ao surgimento de novas vagas. Acrescentou que inexiste ilegalidade da terceirização de mão de obra, já que as atribuições do cargo para o qual foi aprovada a reclamante (ASO – Operação de Estação) são muito mais complexas do que funções exercidas pelos funcionários terceirizados, não se limitando ao mero serviço de cobrança de passagens, tudo conforme descrição de atribuições constante no Plano de Empregos e Salários (PES) da Companhia.

Inicial

Em sua petição inicial, a autora afirmou que houve desvirtuamento da existência de vagas, atendendo a CBTU sua demanda por meio de contratações irregulares. A reclamante foi aprovada para cadastro de reserva na 6ª colocação no cargo de Assistente Operacional (ASO – Operação de Estação) e a Companhia utilizou-se de contratos com empresa terceirizada para “a prestação de serviços de cobrança de passagens, recolhimento de malotes, conferência e depósito bancário da renda da Superintendência de Trens Urbanos de João Pessoa (CBTU-STU/JOP)”. Conforme planilha anexada aos autos, a CBTU mantém cerca de 26 funcionários em plena atividade de bilheteria, distribuídos em diversas estações, em clara preterição aos aprovados no concurso.

O Edital do concurso traz, em seu anexo III, as atribuições do cargo para o qual concorreu a reclamante, que consistem em garantir a execução das operações metroviárias, cumprindo padrões, relatando e corrigindo anomalias e contribuindo para a eficiência dos processos de satisfação dos usuários e, entre outras demandas, atividades de bilheteria, bilhetagem automática e das atividades realizadas nas estações, bem como, guarda de bilhetes, cartões de transportes, remessa de valores ao banco e numerários das bilheterias e cofres da estação.

Desvirtuamento

Para o relator do processo, juiz convocado André Wilson Avelar de Aquino, a primeira frase das atribuições do cargo para o qual a reclamante prestou concurso, já sintetiza todas as demais atribuições. “Diante do exposto, vê-se claramente que houve o desvirtuamento na contratação da empresa efetivada pela ré, porque o pessoal contratado destina-se a fazer os mesmos serviços para os quais houve realização de concurso”, disse o magistrado.

Segundo o juiz convocado, “a nomeação é ato discricionário da Administração Pública, que, ao publicar edital de concursos para preenchimento de vagas em cadastro de reserva, não garante aos candidatos aprovados a efetiva convocação/admissão para o cargo. No entanto, ao desvirtuar a distribuição de vagas, contratando terceirizados para o exercício de atribuições que deveriam ter sido destinadas ao concurso, resta demonstrado o desvio de finalidade perpetuado pela administração pública”.

O relator do processo destacou ainda que a contratação de prestadores de serviços destina-se a uma emergência, enquanto perdure e se ultime os afazeres para regularizar a concretização de um serviço, visando a melhor servir o usuário final da administração pública, que é a população, por consequência, concretizado o certame público, deve o órgão estatal fazer cessar a contratação dos prestadores de serviços ou se eximir de renovar o contrato e contratar os concursados para exercerem os cargos para os quais prestaram concurso.

Assessoria TRT13

Transporte escolar de municípios serão vistoriados

O transporte escolar de vinte e dois municípios da zona da mata paraibana será fiscalizado no próximo dia 14. O calendário de vistoria foi divulgado esta semana pela coordenação do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Criança e do Adolescente e da Educação (Caop) do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB) e o Departamento Estadual de Trânsito da Paraíba (Detran-PB). Todas as vistorias ocorrerão a partir das 7h.

Na 15ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), em Mamanguape, serão fiscalizados os veículos escolares de Mamanguape, Capim, Cuité de Mamanguape, Itapororoca, Mataraca, Jacaraú, Lagoa de Dentro, Pedro Régis, Curral de Cima, Rio Tinto, Baia da Traição e Marcação.

No posto de trânsito de Pedras de Fogo, a fiscalização ocorrerá no transporte dos municípios de Pedras de Fogo, Caaporã, Pitimbu, Alhandra e Conde. Já na Casa da Cidadania de Cabedelo, os veículos de Lucena e Cabedelo serão vistoriados.

Na sede do Detran de João Pessoa, a fiscalização ocorrerá no transporte escolar de João Pessoa, Santa Rita e Bayeux.

O Caop da Criança e do Adolescente e da Educação é coordenado pelo promotor de Justiça Alley Escorel. Em 2017, o MPPB e o Detran estão adotando um novo formato de vistorias do transporte escolar. Elas ocorrem de forma regionalizada em quatro finais de semanas, compreendendo quatro regiões do Estado (sertão, cariri, agreste e litoral), ocorrendo simultaneamente nos municípios de cada região naquela data definida. Já foram realizadas as vistorias nos municípios do sertão, agreste e cariri.

Entidades beneficiadas com multa aplicada prestam contas

As sete entidades e instituições do município de Areia (a 120 quilômetros de João Pessoa) beneficiadas com recursos financeiros provenientes do acordo judicial celebrado entre o Ministério Público da Paraíba (MPPB) e a Companhia de Águas e Esgoto da Paraíba (Cagepa) começaram a prestar contas à Promotoria de Justiça de Areia.

O acordo judicial homologado em maio do ano passado – em função de uma ação civil pública ajuizada em 2015 pela promotoria contra a Cagepa – estabelecia prazos para que a companhia concluísse obras de ampliação do sistema de distribuição de água no município de Areia, além do pagamento de multa no valor aproximado de R$ 100 mil, pelo descumprimento de acordo firmado anteriormente.

Segundo o promotor de Justiça Newton Chagas, a multa foi paga e revertida em benefício da Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição; da Loja Maçônica Leônidas Santiago, do Grupo de Escoteiros Professor Fernando Peixe, do Grupo de Bombeiros Voluntários, da Associação Comunitária do Bairro Frei Damião, da Associação de Cultura Popular Vila Real e da Apae de Areia. “Com os recursos, as entidades financiaram obras e benfeitorias em suas sedes e prédios para melhorar e ampliar o atendimento à população e também fizeram a aquisição de equipamentos e materiais para viabilizar a realização de projetos sociais em benefício da população do município”, explicou.

Ações e projetos

A Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição recebeu R$ 20 mil para construir o salão comunitário no bairro Conjunto Padre Maia, onde é realizado o projeto “Ciranda de Solidariedade”. A verba está sendo destinada às atividades e ações básicas de saúde, nutrição e educação de crianças.

A Loja Maçônica recebeu cerca de R$ 21,6 mil para financiar o projeto de curso de corte e costura desenvolvido desde 1998 no município. O curso é voltado a mulheres que vivem em contexto de vulnerabilidade social e ensina as participantes a confeccionarem enxovais de bebês e artigos de cama, mesa e banho. Parte dos enxovais de bebês (40%) é destinada gratuitamente a gestantes e mães carentes. Com os recursos provenientes do acordo judicial, a entidade adquiriu equipamentos (como máquinas de costura e bordar) e matéria-prima.

O Grupo de Escoteiros recebeu cerca de R$ 10 mil para financiar a aquisição de materiais e equipamentos para a sede da entidade e realização de eventos. Já a Associação Comunitária do Bairro Frei Damião recebeu R$ 5 mil, para financiar a reforma da sua sede e viabilizar os projetos sociais já realizados no local, como zumba, encontros religiosos e reuniões esportivas.

Ao Grupo de Bombeiros Voluntários foram destinados R$ 10 mil para aquisição de equipamentos de escritório e informática. A Associação de Cultura Popular Vila Real, por sua vez, recebeu R$ 5 mil para financiar o projeto “Capoeira na comunidade, cultura de paz”, fazendo a aquisição de materiais e instrumentos (como berimbaus, atabaques, pandeiros, etc), equipamentos (aparelho de datashow, som e amplificador) e roupas para os alunos praticarem o esporte.

A Apae de Areia foi a entidade que recebeu mais recursos provenientes da multa paga pela Cagepa. A entidade fundada em 2003 atende, atualmente, cerca de 60 pessoas com diversos tipos de deficiência. A ela foram destinados cerca de R$ 35 mil, para custear projeto de melhoria e manutenção de suas instalações e para fazer a aquisição de material e equipamentos (como cadeiras de rodas, piso tátil, material para equoterapia e equipamentos de fisioterapia).
MP

Núcleo sugere acesso direto do MP a laudos do IPC

O Núcleo de Controle da Atividade Policial (Ncap), órgão do Ministério Público da Paraíba, apresentou ao procurador-geral de Justiça, Francisco Seráphico Ferraz da Nóbrega Filho, o plano de trabalho para o biênio 2017/2019, em reunião na manhã desta sexta-feira (06). Entre as ações sugeridas estão o acesso direto dos promotores aos laudos produzidos pelo Instituto de Polícia Científica (IPC) e o monitoramento das viaturas da Polícia Militar, por câmeras de vídeo e GPS.

Seráphico da Nóbrega aprovou o planejamento e reafirmou o apoio integral às ações desenvolvidas pelo Ncap. “Os promotores que estão à frente desse trabalho têm todo o nosso apoio, inclusive com o esforço para melhorar a estrutura de trabalho. As ações têm o objetivo maior de contribuir para a melhoria da atividade policial no Estado e, consequentemente, com uma sociedade mais segura”, disse.

O coordenador do Ncap, promotor de Justiça, Guilherme Lemos, explicou que o plano de trabalho do órgão foi resumido em oito pontos evidenciados, que traçam as linhas gerais tratadas com o procurador-geral para que possamos realizar a atividade-fim do Ncap, que é a percepção penal, e melhorar o trabalho desenvolvido pelos órgãos de segurança pública.

Já o promotor Túlio César, integrante do Ncap, destacou dois dos oito pontos apresentados como os que considera mais importantes. “O primeiro diz respeito à remessa direta dos laudos periciais do IPC para os promotores, que têm cinco dias para denunciar réus presos. Hoje, os promotores precisam solicitar os laudos às autoridades policiais, que, por sua vez, requisitam ao IPC e, quando recebem, nos encaminham, em um processo que demora até 15 dias. Já conversamos com o IPC e já há esse entendimento de que a remessa dos laudos precisa ser feita diretamente ao MPPB”, explicou.

O outro ponto destacado por Túlio e apresentado ao procurador-geral é, em relação, à possibilidade de monitoramento das viaturas da Polícia Militar, com a instalação de câmeras e aparelhos de GPS, para que se saiba onde determinada viatura estava em dado momento. Para os membros do Ministério Público, essa providência é importante até para a defesa dos próprios PMs diante de possíveis denúncias sobre violência policial, por exemplo.

Os demais pontos que constam no plano de trabalho dizem respeito à criação de um aplicativo para receber denúncias de cidadãos; ao acompanhamento dos boletins policiais; à adoção da ‘ordens de missão’, na rotina de trabalho dos policiais velados da PMs; à criação de um canal digital de comunicação entre o MPPB e o IPC; ao melhoramento dos laudos periciais do IPC e dos autos de flagrantes da Polícia Civil e ao funcionamento efetivo das delegacias de Polícia Civil, no interior do Estado.

CCJ aprova feriado nacional no Dia da Consciência Negra

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou o Projeto de Lei 296/15, do deputado Valmir Assunção (PT-BA), que transforma o Dia Nacional da Consciência Negra – comemorado em 20 de novembro – em feriado em todo o País.

O autor ressalta que 20 de novembro é a data da morte de Zumbi dos Palmares, líder da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial, e representa, no plano simbólico, a herança histórica da população negra no processo de libertação e de luta por direitos violados.

O parecer do relator, deputado Chico Alencar (Psol-RJ), foi pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa do projeto e do substitutivo da Comissão de Cultura. Em vez de criar uma nova lei, o substitutivo modifica a Lei 662/49, que define os feriados nacionais.

“A data escolhida procura homenagear uma figura histórica de extrema importância e que denota a necessidade de pluralizarmos nossos heróis nacionais”, afirmou Alencar. “A luta de Zumbi de Palmares é uma das mais relevantes da história de nossas repúblicas, cabendo a exposição e festejo desse símbolo das lutas e ganhos da população negra de nosso País”, completou.

Ele destaca que estados e municípios aprovaram leis com a homenagem e fixação de feriado, como as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Cuiabá. “Cabe agora à União reconhecer essa data”, concluiu.

O projeto foi aprovado pela Comissão de Cultura, mas rejeitado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço. Agora segue para análise do Plenário da Câmara.

Energisa ganha prêmio da Aberje

O projeto Primeira Leitura, parceria da Energisa Paraíba com a Editora Patmos, foi premiado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), na categoria “Comunicação de programas, projetos e ações culturais”, das regiões Norte-Nordeste. Considerada uma das maiores premiações da área, o Prêmio Aberje chega, em 2017, à sua 43ª edição, com o objetivo de reconhecer e divulgar os esforços e as iniciativas na área da comunicação.

O prêmio regional consagra o projeto criado em 2014, pela Editora Patmos e apoiado pela Energisa, para resgatar o legado de personalidades paraibanas e dar visibilidade à elas no formato de história em quadrinhos. Com uma literatura voltada para o público infanto-juvenil, os livros são feitos por roteiristas e ilustradores locais.

“Quando começamos a parceria com a Energisa tínhamos certeza de que o projeto daria certo. Em agosto, lançamos o 17º título da coleção literária, com a biografia da médica Eudésia Vieira. A proposta é sempre a mesma: contar a história de paraibanos que contribuíram para a evolução política, social, econômica e cultural do estado”, comenta o gerente da Editora Patmos, Talles Carrelo.

Para a Energisa Paraíba, a premiação é uma forma de reconhecimento de que os investimentos em educação e cultura são sempre válidos. “Ficamos muito felizes com esse prêmio regional. Esse reconhecimento comprova que fomentar a leitura é algo importante em nosso País”, pontua André Theobald, diretor-presidente da Energisa Paraíba.

A coleção Primeira Leitura já retratou as vidas e as obras de Augusto dos Anjos, José Lins do Rego, Pedro Américo, Epitácio Pessoa, Ariano Suassuna, João Pessoa, José Américo de Almeida, Napoleão Laureano, Jackson do Pandeiro, Anayde Beiriz, Vidal de Negreiros, Horácio de Almeida, Celso Furtado, Conselheiro Henriques, Paulo Pontes e Zé da Luz. O próximo lançamento, retratando a vida e obra do músico Sivuca, acontece no dia 25 de outubro, às 19 horas, na Usina Cultural Energisa.

Assembleia realiza ações de conscientização e prevenção ao Câncer de Mama

Durante todo o mês de outubro, a Assembleia Legislativa da Paraíba vai realizar ações de prevenção e combate ao câncer de mama. De acordo com o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, deputado Gervásio Maia, a Assembleia Legislativa da Paraíba preparou uma programação voltada para o Outubro Rosa.
“Durante todo o mês iremos realizar eventos que buscam alertar sobre a necessidade do diagnóstico precoce e os riscos que a doença pode trazer.

O setor médico da Casa também está promovendo um trabalho preventivo direcionado as nossas servidoras e no dia 25 deste mês teremos uma sessão especial para aprofundar o debate sobre prevenção e políticas públicas sobre a doença”, destacou Gervásio.

O Centro Médico da Assembleia, através da Associação Promocional do Poder Legislativo (APPL) deu início as ações em prol da Campanha Outubro Rosa. O objetivo é conscientizar a população, principalmente as mulheres, assim como de seus familiares, a necessidade dos exames de prevenção no combate ao câncer de mama.

Além da distribuição de material informativo, a diretora do Centro Médico da Assembleia, Dayse Queiroga, informou que serão oferecidos às servidoras exames de mamografia e citológico. “A necessidade de prevenir favorece e diminui a taxa de mortalidade que ainda é muito alta em todo país”, alertou a médica.

Os prédios da Casa de Epitácio Pessoa e do Centro Administrativo do Poder Legislativo foram iluminados de rosa em menção ao movimento mundial que chama a atenção para a realidade atual do câncer de mama e a importância do diagnóstico precoce.

Alunos apresentam projetos na conferência sobre meio ambiente

Em busca de boas propostas que possam auxiliar na construção de uma sociedade educada ambientalmente para a sustentabilidade, a Prefeitura Municipal de Campina Grande, através da Secretaria de Educação (Seduc), iniciou as atividades dentro da programação da V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente na Escola (CNIJMA). A abertura do evento ocorreu na Escola Municipal Padre Antonino, no Bairro de Bodocongó.

Este ano, a conferência está abordando a temática ‘Vamos cuidar do Brasil cuidando das águas’. “Hoje nossa conferência é uma ótima oportunidade para refletirmos sobre o que cada um de nós devemos fazer. Esse é um pouco do trabalho que vem sendo desenvolvido na escola como ação de sustentabilidade. Nos também somos parte desse meio ambiente e é urgente pensar e também agir”, ressaltou a gestora da escola, Adriana Sá.

Durante o evento, foram apresentados sete projetos relacionados com o meio ambiente. Foram eles: Pilhas e baterias: brincando, cuidando e aprendendo; Escassez da água; A tecnologia e o meio ambiente; Meio ambiente: vivendo, aprendendo e protegendo; A convivência com a seca; Açude de Bodocongó: nossa água e nossa gente; e ainda o projeto Tudo é água.

Após a apresentação das propostas, os alunos se reuniram para votar qual delas seria escolhida para disputar vaga na etapa estadual da conferência. O projeto escolhido foi: Açude de Bodocongó: nossa água e nossa gente, que tem como objetivo resgatar a história do açude de Bodocongó como forma de esclarecer sobre a necessidade de preservar os recursos hídricos e valorizá-lo como um patrimônio histórico do bairro.

O grupo que propôs o projeto escolheu os estudantes Emerson Matheus Lima da Silva e Mirelly Santos de Lima para defenderem a proposta nas próximas etapas, quando ocorrerá uma nova seleção em conjunto com os projetos selecionados em outras 21 escolas do Sistema Municipal de Ensino. A etapa estadual acontece em 10 de fevereiro de 2018, em João Pessoa. Já a apresentação na etapa nacional está prevista para ocorrer até o dia 18 de março do ano que vem, em Brasília.

Invadiram e depredaram instalações do canteiro das obras da Transposição

Ministério da Integração Nacional  – 

 Nota de Esclarecimento

O Ministério da Integração Nacional vem a público prestar os seguintes esclarecimentos:

1) Na última sexta-feira (6/10), um grupo de pessoas invadiu e depredou instalações do canteiro das obras de construção do Trecho N1 do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco. O incidente aconteceu no município de Salgueiro (PE). Foram identificados danos nas mangueiras das comportas do Reservatório de Tucutu. Mais cedo, ainda na sexta-feira, a estrutura de controle do reservatório já havia sido danificada por pichação (fotos anexas). A suspeita é de que as depredações  tenham sido feitas por comerciantes e credores da Mendes Jr, empresa que havia sido contratada para a obra, mas que não a concluiu;

2) Esse ato criminoso põe em risco o abastecimento de pelo menos três mil pessoas em cerca de 17 comunidades que poderão vir a ser favorecidas pela chegada da água no Reservatório de Terra Nova, seguinte ao de Tucutu;

3) A administração da construtora Emsa – líder do consórcio que venceu a disputa para completar as obras do trecho N1 – registrou um Boletim de Ocorrência (em anexo) denunciando e informando os acontecimentos às autoridades policiais e a existência de ameaças contra a integridade física de seus empregados;

4) Há suspeitas de que a depredação possa ter sido liderada por comerciantes da região, que cobram dívidas da Construtora Mendes Jr. Segundo os credores, os débitos são da ordem de R$ 24 milhões. A empreiteira era a responsável pelas obras de implantação do trecho N1, mas foi obrigada a se afastar da obra após ter sido considerada inidônea pela CGU por estar envolvida nas investigações da Operação Lava Jato;

5) O Ministério da Integração Nacional destaca que não há passivos seus em relação à empresa Mendes Jr. Ao contrário: a empresa é que tem dívidas pendentes com a Pasta, referentes a multas por readequação de preços e a penalidades contratuais. Os valores totais das dívidas da Mendes Jr. com o Ministério da Integração superam os R$ 200 milhões;

6) Os débitos da Mendes Jr. com os comerciantes da região referem-se a uma relação contratual entre empresas privadas. Pela legislação em vigor, o Ministério da Integração Nacional está impedido de saldar dívidas da construtora com seus fornecedores. Os pagamentos aos fornecedores e comerciantes da região devem, assim, ser quitados pela empresa Mendes Jr., que foi a responsável pela contratação dos serviços e aquisição dos materiais;

7) Ainda assim, sempre na tentativa de buscar uma solução para a questão e mediar um acordo entre as partes, a equipe do Ministério da Integração manteve reuniões tanto com a construtora como com os credores. Mas, até o momento, nenhum acordo foi fechado;

8)  Na quinta-feira (5), a Coordenadoria-Geral de Acompanhamento de Obras e Fiscalização do Projeto de Integração do Rio São Francisco comunicou à Secretaria de Infraestrutura Hídrica do Ministério da Integração Nacional a existência de ameaças de credores da Mendes Jr. a funcionários do Ministério e do consórcio construtor que toca conclusão das obras;

9) As ameaças verbais são frequentes e agressivas. Se referem à intenção de fechar o prédio onde funciona a Coordenação do Eixo Norte e a Gerenciadora, instalados em Salgueiro (PE); invadir e paralisar o canteiro da empreiteira Emsa, assim como das suas subcontratadas; fechar a BR 116 no trecho em frente aos escritórios da Coordenação; e depredar o canal e as obras em funcionamento. Existem áudios comprobatórios de tais ameaças – ainda sem identificação dos autores (ouça aqui – áudio 1áudio 2áudio 3).

10)  Devido aos danos nas mangueiras, foi verificado vazamento de óleo no Reservatório de Tucutu. Para garantir a segurança das pessoas e da estrutura, as equipes técnicas do Ministério optaram por fechar a comporta responsável pela passagem da água do Rio São Francisco para os canais subsequentes;

11) No momento, o Ministério da Integração analisa as medidas legais cabíveis;

12)  A Pasta também está avaliando todos os prejuízos causados para que as comportas sejam reabertas o mais rápido possível.

Assessoria de Comunicação Social

Alunos de escola municipal apresentam projetos na abertura de conferência sobre meio ambiente

Em busca de boas propostas que possam auxiliar na construção de uma sociedade educada ambientalmente para a sustentabilidade, a Prefeitura Municipal de Campina Grande, através da Secretaria de Educação (Seduc), iniciou as atividades dentro da programação da V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente na Escola (CNIJMA). A abertura do evento ocorreu na tarde desta sexta-feira, 06, na Escola Municipal Padre Antonino, no Bairro de Bodocongó.

Este ano, a conferência está abordando a temática ‘Vamos cuidar do Brasil cuidando das águas’. “Hoje nossa conferência é uma ótima oportunidade para refletirmos sobre o que cada um de nós devemos fazer. Esse é um pouco do trabalho que vem sendo desenvolvido na escola como ação de sustentabilidade. Nos também somos parte desse meio ambiente e é urgente pensar e também agir”, ressaltou a gestora da escola, Adriana Sá.

Durante o evento, foram apresentados sete projetos relacionados com o meio ambiente. Foram eles: Pilhas e baterias: brincando, cuidando e aprendendo; Escassez da água; A tecnologia e o meio ambiente; Meio ambiente: vivendo, aprendendo e protegendo; A convivência com a seca; Açude de Bodocongó: nossa água e nossa gente; e ainda o projeto Tudo é água.

Após a apresentação das propostas, os alunos se reuniram para votar qual delas seria escolhida para disputar vaga na etapa estadual da conferência. O projeto escolhido foi: Açude de Bodocongó: nossa água e nossa gente, que tem como objetivo resgatar a história do açude de Bodocongó como forma de esclarecer sobre a necessidade de preservar os recursos hídricos e valorizá-lo como um patrimônio histórico do bairro.

O grupo que propôs o projeto escolheu os estudantes Emerson Matheus Lima da Silva e Mirelly Santos de Lima para defenderem a proposta nas próximas etapas, quando ocorrerá uma nova seleção em conjunto com os projetos selecionados em outras 21 escolas do Sistema Municipal de Ensino. A etapa estadual acontece em 10 de fevereiro de 2018, em João Pessoa. Já a apresentação na etapa nacional está prevista para ocorrer até o dia 18 de março do ano que vem, em Brasília.

Fonte: Codecom