Inicio Campina Grande Instituições convocam dia de protestos pelo país contra cortes na educação

Instituições convocam dia de protestos pelo país contra cortes na educação

107
0
SHARE

RIO DE JANEIRO, BELO HORIZONTE, PORTO ALEGRE, CURITIBA, SALVADOR E BRASÍLIA (FOLHAPRESS) – Manifestações em defesa de recursos para a educação foram convocadas para capitais e grandes cidades em todo o país nesta quarta-feira (15) após o ministro da Educação, Abraham Weintraub, reduzir o orçamento das universidades federais e bloquear bolsas de pesquisa.

Organizadas por sindicatos de professores e servidores das universidades, os protestos devem ter a adesão de estudantes e também de trabalhadores da educação das redes pública e privada de ensino fundamental e médio. Dezenas de escolas particulares em São Paulo, no Rio e em outros estados planejam parar no dia de protesto.

O principal objetivo da mobilização, segundo os organizadores, é mostrar à população a importância das universidades no ensino, na pesquisa e na prestação de serviços à sociedade.

As manifestações ocorrem após o anúncio de cortes e bloqueios pelo Ministério da Educação no governo Jair Bolsonaro. Recursos para todas as etapas de ensino, da educação infantil à pós-graduação, foram reduzidos ou congelados. A medida inclui verbas para construção de escolas, ensino técnico, bolsas de pesquisa e transporte escolar.

O bloqueio total de despesas do MEC anunciado até agora é de R$ 7,4 bilhões. Nas universidades federais, chega a R$ 2 bilhões, o que representa 30% da verba discricionária (que não inclui salários, por exemplo). Nesta terça-feira (14), Weintraub disse que não descarta novos bloqueios no orçamento da pasta após previsão de crescimento menor da economia.

Na véspera dos protestos, oposição e centro conseguiram impor uma derrota ao governo e aprovar a convocação de Weintraub para explicar os cortes no plenário da Câmara nesta quarta. Partidos como PP, MDB, PRB, Podemos e PTB votaram favoravelmente à convocação do ministro, que deve ser questionado sobre os bloqueios de verbas do MEC.

Cientistas têm alertado também para o efeito dos contingenciamentos do governo Bolsonaro sobre a pesquisa feita no país.

Os dois principais órgãos que financiam pesquisas no país, o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), ligada ao Ministério da Educação, foram atingidos.

Mais de 40% do orçamento do Ministério da Ciência foi contingenciado, e quase 3.474 bolsas de mestrado e doutorado da Capes foram cortadas, ou 4% do total de benefícios financiados pelo MEC, que representam gasto de em torno de R$ 50 milhões ao ano.

Em São Paulo, o protesto, marcado para as 14h na avenida Paulista, conta com o apoio da UNE e da Apeoesp, o sindicato dos professores da rede estadual.
A entidade aderiu à greve e diz que espera uma mobilização grande. A secretaria estadual de Educação afirma que a orientação é que as escolas públicas funcionem normalmente. A pasta municipal afirma que não tem informação prévia sobre paralisação de unidades.

Escolas particulares da cidade de São Paulo, como Equipe, São Domingos e Santa Cruz, vão suspender as aulas nesta quarta.

Segundo o secretário-geral do sindicato dos professores de escolas particulares da cidade de São Paulo (Sinpro-SP), Walter Alves, a mobilização nos colégios vai ser bastante variada.

“Alguns vão tirar grupos de representantes para participar dos atos, outros vão conversar com alunos e pais, outros vão suspender as aulas”, diz.

O sindicato orientou os professores a participar das manifestações. “Além da mobilização contra a reforma da Previdência, precisamos defender as instituições públicas de ensino superior e o professor mesmo, que tem sofrido com gravações e ameaças.”

Já os reitores da USP, Unesp e Unicamp criticaram em nota na segunda-feira (13) os cortes de verba das universidades e convocam a comunidade acadêmica a “debater problemas da educação e da ciência” nesta quarta. Os reitores criticam os cortes de verba na área, que chamam de “equívoco estratégico”.

A nota divulgada pelo Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas) faz referência indireta à participação de seus professores, funcionários e alunos nos atos. A Unicamp recomenda ainda que professores evitem, se possível, dar provas nesse dia.

No Rio de Janeiro, grupos de manifestantes devem se espalhar por diversos pontos da cidade, em locais públicos, para mostrar à população o que se faz nas universidades.

Na Praça 15, serão realizadas aulas, palestras, performances e oficinas em tendas montadas no local, sobre assuntos que vão de textos gregos a transplante de medula óssea.

A comunidade do Museu Nacional, por exemplo, que sofreu um grande incêndio há oito meses, vai distribuir panfletos com informações sobre projetos e esclarecer que a instituição depende do orçamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

À tarde, por volta das 15h, os grupos vão se reunir para um ato conjunto que deve percorrer a Praça 15, a Igreja da Candelária e a Central do Brasil –estação ferroviária por onde passam cerca de 600 mil pessoas por dia.

“Vamos mostrar o que é feito dentro da universidade e os riscos desse bloqueio do governo, que pode matar todo um patrimônio desenvolvido em décadas”, afirma Eduardo Raupp, vice-presidente do sindicato de docentes da UFRJ.

Em Belo Horizonte, manifestantes vão panfletar em pontos movimentação da cidade, como estações de ônibus, Praça da Rodoviária e Praça Sete. A partir das 9h30, saem em passeata em direção à Praça da Estação para um ato unificado com outras categorias.

Em Vitória (ES), trabalhos de ensino, pesquisa, assistência e extensão serão exibidos na “Mostra Balbúrdia Universitária”, enquanto em Salvador, o ato irá se concentrar na Praça do Campo Grande. Em Manaus, haverá uma aula pública de filosofia.

Em Curitiba, os protestos ao corte federal de verbas começaram nesta terça-feira (14). Grupos de professores e estudantes se dividiram em pontos de maior movimento da capital e em cidades do interior para apresentar projetos da universidade para a população.

“Temos que nos aproximar da população para esclarecer o que fazemos, para onde está indo a verba e qual será o impacto do corte de gastos”, afirma o secretário-geral do DCE da UFPR, Matteus Oliveira.

Nesta quarta, a mobilização começará às 8h30, em frente ao prédio histórico da UFPR, na Praça Santos Andrade, em Curitiba.

As manifestações também começaram mais cedo em Campo Grande (MS), onde estudantes ocuparam um dos blocos da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul e criticou a falta de posicionamento da reitoria sobre os cortes de verbas.

“Vamos mostrar para a população a justificativa para o corte de verbas é um discurso ideológico para justificar o fim da universidade pública gratuita no Brasil”, explica o aluno de Ciência Sociais Tui Boaventura.
Em Santa Catarina, além das universidades, a mobilização é feita também pelos alunos dos institutos federais.

Em Brasília, o ato está marcado para ter início às 10h em frente ao Museu da República, na Esplanada dos Ministérios. A manifestação foi convocada pelo DCE (Diretório Central dos Estudantes) da UnB contra o congelamento de recursos das federais.

Os manifestantes devem marchar até o Congresso. O MEC solicitou segurança da Força Nacional, que já estava presente na frente da sede da pasta na manhã desta terça-feira.

Fonte: Paraíba Online

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here