Inicio Campina Grande Corpo de Genival Lacerda é enterrado em Campina Grande ao som de...

Corpo de Genival Lacerda é enterrado em Campina Grande ao som de forró pé-de-serra

31
0
SHARE

O corpo do cantor e compositor Genival Lacerda, que morreu aos 89 anos em decorrência de complicações da Covid-19, foi enterrado nesta quinta-feira (7) no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, conhecido como Cemitério do Monte Santo, em Campina Grande, cidade onde o músico nasceu. Foi recebido por um trio de forró pé-de-serra que tocava músicas do artista.

Caixão de Genival Lacerda chegou ao cemitério por volta de 19h15 — Foto: Marques de Souza/TV Paraíba

O corpo do artista saiu de Recife às 15h30 e chegou à Paraíba por volta das 18h45. Ele foi recepcionado por fãs que o aguardavam na entrada do município. Algumas das principais ruas da cidade foram tomadas pela comoção da despedida, que, para muitos, aconteceu durante o cortejo fúnebre.

A consternação era visível entre os pedestres, que à distância acompanhavam a passagem do cortejo. E era acompanhada pelas buzinadas de veículos. Fruto do luto que tomou conta da música paraibana e nordestina.Corpo de Genival Lacerda deixou hospital no Recife e seguiu para Campina Grande, na Paraíba, onde foi sepultado — Foto: Pedro Alves/G1

O percurso pela cidade foi rápido. Durou menos de meia hora. Passou pela Avenida Brasília, localizada na entrada de Campina Grande, e de lá seguiu para as estátuas de Jackson do Pandeiro e Luiz Gonzaga, no Açude Velho, cartão postal da cidade.

Depois foi ao Parque do Povo, local que centraliza os festejos juninos da cidade e que foi palco para inúmeras demonstrações de talento de Genival. Antes de ir ao cemitério, os veículos também passaram ao lado do Calçadão da Cardoso Vieira, no Centro de Campina Grande. Todos esses eram locais que o cantor gostava de ir quando visitava sua cidade natal.

A equipe do Corpo de Bombeiros seguiu com a homenagem até o cemitério, situado a pouco mais de três quilômetros da casa onde ele nasceu, onde atualmente fica a Feira Central do município.

Muitas pessoas aguardavam para dizer adeus ao cantor. Um corredor de artistas paraibanos se formou na entrada do local, estando entre eles nomes como Gitana Pimentel e Biliu de Campina. Eles receberam o artista com música e disseram que Genival seguirá sendo fonte de inspiração para a cultura nordestina.

Não houve velório devido aos protocolos de prevenção à Covid-19, mas o enterro atrasou um pouco porque os familiares esperavam a chegada de uma das filhas do artista. Quando o corpo do paraibano cruzou o portão do cemitério, apenas a família e a imprensa teve acesso. Ficou restrito a essas poucas pessoas o adeus derradeiro, mesmo que o caixão tenha permanecido lacrado durante todo o tempo.

O corpo de Genival foi sepultado às 20h30.

Vítima da Covid-19

O cantor e compositor Genival Lacerda morreu aos 89 anos, no Recife, em decorrência de complicações da Covid-19. O músico foi hospitalizado no dia 30 de novembro de 2020, no Hospital Unimed I, na Ilha do Leite, na área central da capital pernambucana. Infectado pelo novo coronavírus, ele foi internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No último dia 4 de janeiro, Genival Lacerda apresentou uma piora no quadro de saúde, segundo o boletim divulgado pela família. Já na quarta-feira (6), a família iniciou uma campanha de doação de sangue para o cantor.

Nos seus 64 anos de carreira, Genival Lacerda se tornou ídolo popular e conhecido em todo o Brasil — Foto: André Gomes/Secult-PE/Divulgação

Nos seus 64 anos de carreira, Genival Lacerda se tornou ídolo popular e conhecido em todo o Brasil — Foto: André Gomes/Secult-PE/Divulgação

Perfil

Genival Lacerda nasceu em Campina Grande no dia 5 de abril de 1931. Na cidade, trabalhou como radialista. A primeira gravação como cantor aconteceu quando já morava em Recife, para onde se mudou em 1953.

O primeiro disco do artista foi gravado em 1956, um compacto duplo com “Coco de 56”, escrito por ele e João Vicente, e o xaxado “Dance o xaxado”, feito por ele com Manoel Avelino.

Em 1964, se mudou para o Rio de Janeiro. A consagração nacional veio com “Severina Xique Xique”, de 1975. O refrão “ele tá de olho é na butique dela” virou sua marca.

O músico viveu no Rio durante o auge da popularidade do forró no Sudeste, e conviveu com outros artistas fundamentais do estilo como Dominguinhos e Luiz Gonzaga.

Genival deixou dez filhos, além de netos e bisnetos.

Fonte: G1

Foto: Marques de Souza/TV Paraíba – Pedro Alves/G1

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here