Inicio Brasil O Telegram, usado por Sérgio Moro, é realmente mais seguro que o...

O Telegram, usado por Sérgio Moro, é realmente mais seguro que o WhatsApp?

158
0
SHARE

O Telegram é um serviço de mensagens instantâneas que, no Brasil, ficou conhecido como uma alternativa para o WhatsApp quando, alguns anos atrás, o aplicativo do ícone verde era frequentemente tirado do ar por determinação da Justiça.

Desde o último domingo (9), com a divulgação pelo site Intercept de conversas entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procurador da República Deltan Dallagnol sobre o andamento da Operação Lava Jato, o Telegram ganhou novamente os holofotes.

Assim que as mensagens trocadas na plataforma vazaram, levantou-se a hipótese de um ataque hacker. A Polícia Federal está investigando essa possibilidade. O Telegram, por sua vez, negou ter sido alvo de uma invasão do tipo. Foi justamente pela promessa de oferecer maior privacidade aos usuários que o serviço ganhou notoriedade. Mas afinal, ele é mais seguro que o WhatsApp?

Criado em 2013, o Telegram foi desenvolvido pelos irmãos russos Nikolai e Pavel Durov, os inventores do VK, a maior rede social da Rússia. O sistema de mensagens nasceu com o dinheiro da venda do VK para um grupo de tecnologia ligado ao governo russo.

Mas a compra não foi muito amigável: em 2018, a Rússia foi à Justiça para proibir o Telegram no país. A justificativa era de que a empresa não quis abrir sua criptografia (codificação de dados) para o governo russo. Na época, a plataforma já contava com mais de 200 milhões de usuários pelo mundo. O WhatsApp, que pertence ao Facebook, possui mais de 1,5 bilhão – 120 milhões somente no Brasil.

Qual a diferença entre eles?

No quesito criptografia – tecnologia que transforma mensagens e arquivos em códigos, aumentando a segurança na comunicação – o Telegram saiu na frente do “zap”: desde o início, as mensagens trocadas no serviço russo passavam por um protocolo de encriptação. No caso do WhatsApp, a funcionalidade só foi incorporada em 2016, após críticas à respeito de constantes vazamentos.

No entanto, Telegram e WhatsApp diferem em duas características: o armazenamento das mensagens de cada usuário e a forma de acesso a elas. No WhatsApp, mensagens e arquivos ficam armazenados no celular – a empresa garante que nada do tipo fica salvo nos servidores da empresa. O app faz backup automático das mensagens, que são salvas no Google Drive (para quem usa o WhatsApp no Android) e iCloud (no caso do iPhone).

No Telegram, é diferente. Na versão “normal” do serviço (mais sobre ela daqui a pouco), as mensagens são guardadas na nuvem, em servidores da empresa espalhados pelo mundo. Isso está diretamente relacionado com a proposta do aplicativo, que é de ser multiplataforma: é possível acessar o Telegram de diversos dispositivos (tablet, smartphone, computador). Como as mensagens estão salvas na rede, você consegue manter mais de um canal de conversa. No caso do WhatsApp, tudo precisa necessariamente passar pelo celular. É por isso que o WhatsApp Web não funciona se o seu aparelho não estiver conectado à Internet. Apesar da fama que o Telegram tem de ser muito seguro, o modelo de funcionamento baseado em nuvem cria pontos vulneráveis.

Agora, acessar o Telegram de uma pessoa hackeando os sistemas da empresa é outra história. A empresa é tão confiante que oferece um prêmio de US$ 300 mil para quem conseguir quebrar suas medidas de segurança. Até agora, ninguém conseguiu.

Como se proteger?

Se compararmos o WhatsApp com a versão normal do Telegram, o primeiro leva a melhor na questão da segurança. Mas o aplicativo russo possui uma versão “turbinada” do seu serviço: o chat secreto. De acordo com a empresa, ela oferece máxima privacidade ao usuário. Nesse modo de funcionamento, as mensagens são protegidas por criptografia passo-a-passo, ou seja, desde que saem do remetente até chegarem ao interlocutor. Nessa modalidade, não é possível a criação de grupos – o que, presumivelmente, significa que os procuradores do Ministério Público cujas mensagens foram vazadas não a tenham utilizado.

A recomendação de segurança (e que vale para ambas as plataformas) é usar a verificação em duas etapas, disponível para ativação nas configurações dos aplicativos. Com ela, é possível criar uma senha extra, que será pedida toda vez que você (ou alguém) tentar se conectar. No fim, o bom e velho WhatsApp não é tão inseguro como se costuma pensar. Já a privacidade do Telegram irá depender das configurações que o usuário fizer.

Contudo, nenhum desses mecanismos de segurança é eficaz se o celular da vítima for invadido. Nesse caso, o hacker passa a ter acesso total ao dispositivo, podendo capturar tudo o que é digitado e visto na tela. Se isso for um risco intolerável para você, a única saída é dispensar qualquer meio de comunicação eletrônica – e recorrer às boas e velhas cartas de papel.

Fonte: Superinteressante por Rafael Battaglia

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here